22 de set de 2012

PSY - Gangnam Style

Nem 'pintinho piu', nem 'mamilos polêmicos', nem Jeremias bêbado. A hora é de Gangnam Style, um hit sul-coreano que é o mais novo viral da internet.
Comparado à Macarena de 1995 e com mais 200 milhões de acessos no YouTube, a música é contagiante e põe todo mundo pra balançar.

Confira e se contagie você também!


Bônus: olha as orientais na coreografia (a de amarelo é a minha favorita)


Bônus 2: versão com Hyuna


Entenda do que se trata a música:

Fonte: www.publico.pt

O sucesso de "Gangnam Style" pode resumir-se à batida, ao refrão e ao vídeo, mas a verdade é que a letra da canção transpira sátira e, neste aspecto, está muito longe da "Macarena" espanhola que invadiu as pistas de dança em meados da década de 1990 e que foi eleita pela revista Rolling Stone como a 2.ª canção mais irritante de sempre.

Gangnam é o nome de uma região luxuosa da capital da Coreia do Sul, considerada a Beverly Hills de Seul, onde o estilo de vida simboliza o expoente máximo do consumismo e da ostentação.

O protagonista do vídeo, "Oppa" (uma expressão usada pelas mulheres sul-coreanas em relação a homens mais velhos, sejam irmãos os amigos), "vive à maneira de Gangnam" e gosta de "uma mulher que é calorosa e bondosa de dia, uma mulher com classe, que tem dinheiro para pagar um café, e cujo coração começa a aquecer quando a noite chega". "Adoro uma miúda com este charme retorcido", canta PSY.

"Nas últimas quatro décadas, Gangnam transformou-se num sítio icónico para os sul-coreanos, representando riqueza, estatuto social e uma vida luxo", explica a sul-coreana Jea Kim, autora do blogue My Dear Korea. "O 'Gangnam Style' de PSY é uma sátira ao estilo de vida de Gangnam, ao materialismo e à busca da terra prometida pelas pessoas que sonham viver lá", escreve a blogger sul-coreana, residente nos Estados Unidos.

O autor da canção veste a pele de um desses sul-coreanos que têm como objectivo viver "ao estilo de Gangnam": "Ele está sempre a repetir que vive ou que ama o estilo de vida de Gangnam, mas na realidade está muito longe de chegar lá", explica Jea Kim.